Blog Primeira Essência » Um lugar para se encontrar

Masthead header

Quem sou eu?

Em um dos encontros de Jesus com os escribas e fariseus, Ele é confrontado com algumas perguntas sobre “o que deveriam fazer para herdar a vida eterna?”(v. 25) Essa história está localizada no livro de Lucas 10:30-35. Não irei descrevê-la, mas para àqueles que ainda não conhecem a parábola do “Bom Samaritano”, seria bom lê-la antes de continuar lendo este texto.

​Jesus ensinando por retórica, responde a pergunta com outra… “que está escrito na lei? Como interpretas? (v.26), ao que o indagador imediatamente responde “amarás o Senhor teu Deus […] e o teu próximo” (v. 27). Contudo, o questionador não satisfeito pergunta novamente “quem é o meu próximo?”. Assim Jesus pacientemente conta a parábola e ao final questiona “qual destes três te parece ter sido o próximo”?.

​A forma como Cristo responde aos questionamentos egoístas e confortáveis dos seus inquiridores é simplesmente desconcertante. Se Jesus tivesse perguntado igualmente ao escriba “quem é o meu próximo?” ele implicaria em dizer que o próximo é alguém com necessidade, colocando limites ao mandamento do amor, assim Jesus remove a questão do nível do necessitado, seja ele quem for, para ensinar que o próximo é AQUELE que pratica a AÇÃO, ou seja, EU, VOCÊ, independente de quem seja aquele que está caído às margens do caminho.

​Jesus, com esta parábola, deixou claro que a pergunta real não é “quem é o meu próximo?”, mas “quem sou eu?”. Ninguém ama realmente até que saia do seu caminho, se desviando de sua rota para servir. Em outras palavras, o próximo não é o objeto da ação, mas o SUJEITO dela. Não é aquele a quem se serve, mas AQUELE QUE SERVE. Na perspectiva de Jesus nós não podemos escolher quem será o nosso próximo, MAS APENAS VIVER E AGIR COMO O PRÓXIMO!

​E confesso que é difícil viver essa “Regra do Amor”. Como refletir e pensar em burlar meu enganoso coração contra ‘alguém’ que, sem me conhecer, é capaz de maltratar-me verbalmente, ou ajudar a quem nunca vi, deixar de fazer as coisas que gosto ou até mesmo ter o que acho que preciso para abrir mão em benefício do outro?

A Regra para todos nós é perfeitamente simples. Não perca seu tempo pensando se você ‘ama’ ou não o seu próximo; porque como já disse, eu devo ajudar e, acima de tudo, amar à todo aquele ao qual eu estou próximo, independente de quem quer que seja. O segredo é agir como se você já o amasse – com muita compaixão. Quando você faz isso acaba descobrindo uma fórmula da vida impressionante com Jesus… Quando você age como se amasse alguém, acaba por amá-lo de verdade! Agora, se eu ofender alguém de quem eu não goste, ou desprezar a necessidade dos que me procuram, acabarei gostando deles menos ainda. Se eu der uma boa resposta, vou desgostar menos da pessoa… e terei oportunidade de amá-la como deveria amar.

Contudo, se eu lhe der uma resposta gentil, não para agradar a Deus e obedecer à Regra da caridade, mas para lhe provar que eu sou legal e capaz de dar ou até mesmo perdoar colocando-a em dívida comigo, e depois sentar-me e esperar que ele demonstre a sua ‘gratidão’, provavelmente acabarei ficando desapontada. Mas se eu fizer o bem a outro ser humano criado por Deus (assim como eu mesma fui), desejando a felicidade dele da mesma forma que desejo a minha, é bem provável que terei aprendido a amá-lo um pouco mais ou, pelo menos, a desgostar dele um pouco menos.

Admito que em outras palavras isso significa amar pessoas que não tem nada de amável. Mas será que alguma pessoa tem algo de amável? Eu me amo simplesmente porque sou eu mesma. Deus quer que eu ame todas as pessoas da mesma forma e pela mesma razão! E me deu a fórmula pronta, justamente para mostrar como de fato funciona. O que eu tenho que fazer é aplicar a regra a todos os outros. Quem sabe isso torne tudo mais fácil… Lembrando que é assim que Deus me ama! Não por quaisquer qualidades atrativas que imagino ter, mas porque sou algo chamado “eu”. Na realidade não há mais nada de amável em mim; sou criatura que tem tanto prazer no ódio que abrir mão dele seria para mim algo tão difícil quanto abrir mão de um vício.

Então, quem sou eu? De quem sou próximo?

Olívia Mateus
Amo ler, escrever e trocar ideias. Sou muito feliz pois sou casada com meu grande amor, Tiago Mateus, tenho amigos fantásticos e faço parte da comunidade Primeira Essência.

Your email is never published or shared. Required fields are marked *

*

*